sábado, 17 de julho de 2010

Gelo:

O que me consome, dos pés à cabeça; dos cabelos às unhas; dos olhos à alma.
O que me torna fria. Me faz esquecer o que é um sorriso ou o próprio amor. Tristeza. É o que pode ser confundida com frieza. Porque com a presença de ambas, a felicidade (como nós conhecemos) não existe.
O que pode transformar duas vidas quentes em paraísos congelados. Porque há a reciprocidade de sentimentos negativos e frios, e entre os dois pode ser criado um grande muro. Um muro que só se derruba com a chegada de uma coisa: reflexão. Pensar e perceber que o que existia antes do muro de gelo era melhor. Para todos.
Mas... Sabendo de tudo isso, por que eu ainda não consegui lutar contra?

Nenhum comentário:

Postar um comentário