domingo, 18 de dezembro de 2011

Aime-moi moins, mais aime-moi longtemps

Sempre que converso com a minha irmã sobre minhas paixões e meus relacionamentos, ela lida com o assunto de forma bem humorada. Não no sentido de não levar o assunto a sério, mas no sentido de bolar teorias malucas ou simplesmente brincar com as situações pelas quais eu passo.
Refletindo sobre uma dessas situações, eu parei pra pensar seriamente no assunto. Sempre que eu conto sobre meu interesse por alguma pessoa, ela me diz “nossa, de quem você não gosta?” e ri. Apesar de seus 13 anos, ela tem uma maturidade respeitável.
A minha teoria pra esse assunto é meio maluca, mas depois de um tempo pensando sobre isso, começou a fazer muito sentido. Eu acho que esse lance de “gostar de várias pessoas ao mesmo tempo” se dá pelo fato de eu ser muito insegura em relação às pessoas e nossas relações, e de uma forma bem simplificada, eu gosto de distribuir minha expectativa entre as pessoas por quem sinto algo mais forte e assim tento não me machucar nem me decepcionar. O que me leva a uma situação chata, que é gostar muito intensamente dessas pessoas, mas desistir rapidamente delas. Me sinto bem superficial quando isso acontece, mas pelo menos eu não me apego tão fortemente às pessoas.
Eu acho que é muito mais simples e machuca menos quando a gente gosta bastante, mas por pouco tempo, do que quando a gente gosta pouco, mas por muito tempo.